Gaste mais e economize dinheiro

Minha avó espanhola sempre dizia que para economizar dinheiro a gente tinha que gastar mais, e todo mundo que ouvia achava que a velha estava louca. Davam risada, mudavam de assunto e depois comentavam a pena que sentiam dela, doidinha, doidinha.

Só para nós ela explicava: “meu filho, se você quer economizar dinheiro, tem que gastar mais, mas não é dinheiro, é gastar mais a sola do sapato antes de comprar outro, gastar mais o sabonete antes de jogar fora, gastar mais o shampoo antes de descartar e assim vai”.

E a gente se divertia muito. Com as pessoas que não entenderam e com a pegadinha dela.

Lembrando desta história, fiz uma associação com o nosso business: o convertedor que gastar mais comprando um clichê melhor pode economizar muito dinheiro. A única diferença da minha filosofia para a da vovó é que minha sugestão não é gastar mais o clichê antes de jogá-lo fora e sim gastar mais dinheiro com ele mesmo, investir mais no clichê para economizar em muitas outras etapas do processo de impressão flexográfica.

Vamos calcular juntos?

Em um projeto de impressão de uma embalagem hipotética, digamos no formato 40x28cm, impressa a 8 cores, com preço por quilo impresso de R$ 18,00 e um pedido de 5 toneladas, teremos um custo de R$ 90 mil para o trabalho.

Com um clichê de qualidade razoável a R$ 0,16 por cm2, o custo do clichê seria R$ 1.433,00 e representaria 1,59% do custo total do trabalho.

Agora começa a brincadeira:

Se você investir em um clichê melhor e conseguir reduzir 1 cor do impresso, sua economia pode ser de 10% do orçamento total: R$ 9.000,00.

Se reduzir 2 cores, a economia dobra, e você estará salvando R$ 18.000,00.

Se o clichê for top e você aumentar a velocidade de impressão em 15%, sua economia com isto será de 5%, ou R$ 4.500,00.

Um clichê top de tecnologia pode acelerar o setup de sua máquina em 2 horas. Mais R$ 900,00 de economia.

Um clichê top pode eliminar suas paradas durante a impressão. Mais R$ 900,00 de economia, se suas paradas durarem normalmente 2 horas por trabalho.

Sem falar na economia de substrato durante um setup mais curto e sem de paradas de máquina. Sem falar em ganhos gigantescos em impressos conjugados. E sem falar nas economias paralelas que podem ser obtidas, como tinta, mão de obra, energia elétrica, peças da impressora e outras que são mais difíceis de mensurar e exigiriam um tratado técnico, não uma modesta reflexão como esta que faço com você a cada edição da revista.

Digamos que você conseguiu todos os ganhos que propus em nosso exercício acima (diminuir 2 cores, aumentar a velocidade e diminuir o setup e paradas de máquina): nossa economia total seria de R$ 24.300,00! Isso representa absurdos 27% do valor total. Valor que pode se tornar margem de lucro para sua empresa ou desconto para seu cliente.

Estes números são aproximados e com certeza variam bastante de convertedor para convertedor. Usei referências internacionalmente aceitas com o intuito de ilustrar minha idéia, mas veja que mesmo que eu erre bastante, fica claramente comprovado que vale muito a pena gastar mais dinheiro com o clichê que você usa: o investimento em uma matriz com tecnologia de ponta vai se converter em muito ganho na operação como um todo! Você poderia pagar o dobro por cm2 e mesmo assim ainda teria muita economia!

E olha que nem falamos no quanto um clichê de ponta vai fazer sua qualidade subir e diferenciar sua empresa dos concorrentes por aí.

Como minha avó também dizia, “trabalho que começa certo, dá certo até o fim”. E o trabalho de impressão flexo começa o clichê!

Até a próxima e bons negócios!

Geraldo Fernandes (geraldo@fotograv.com.br)
Sócio fundador da Fotograv Fotopolímeros e especialista em matrizes para flexografia e dry-offset.
Há 45 anos atua no segmento, é considerado um dos maiores experts do assunto no Brasil.